Como funciona a lubrificação de um motor?

Antes de iniciar a leitura…

Pessoal! Faz um tempo que eu não posto nesse blog. Há alguns meses eu criei um canal no youtube com vídeos sobre os mesmos temas (e alguns além) que eu postei aqui. Caso você leia esse post e ache o que eu fiz legal, recomendo que siga o meu canal e a página no facebook.

Os links vão abaixo:

https://www.youtube.com/channel/UCnKoNhNOCEGk2wIG0cm5VtQ

https://www.facebook.com/blogdoutorautomovel/

Obrigado e boa leitura!

Olá pessoal,

Ontem eu estava inquieto esperando pela primeira corrida da temporada de Fórmula 1 e com muita vontade de escrever algo de produtivo aqui, pois então, depois de uma reunião de cúpula com uma equipe de engenheiros especializados (mentira, tava conversando com o Johannes no Facebook… rs) decidi falar sobre o sitema de lubrificação do motor, que por acaso tinha sido um dos assuntos da nossa aula de Sistemas Automotivos na sexta-feira. Então vamos lá:

O sistema de lubrificação de um motor é composto por 4 elementos: O cárter, filtros, bomba e dutos.

O Cárter é o reservatório onde o óleo fica armazenado, o virabrequim é encaixado no cárter e toca o óleo, o que é suficiente para lubrificá-lo. Esse é o sistema utilizado em todos os carros de passeio (excluindo logicamente coisas absurdas tipo o Corvertte e carros do mesmo nível…)

Carter

Existe também o sistema de cárter seco, apesar de suas vantagens, o sistema usual é inadequado para o automobilismo de alto desempenho. Na Formula 1 por exemplo, onde encontramos forças-G laterais de 3G (Podendo chegar a até 6G em curvas como a Eau Rouge em SPA-Francochamps), a aceleração centrífuga puxaria todo o óleo para um dos lados do cárter, deixando o motor sem óleo. Para resolver este problema, o sistema de cárter seco foi projetado e agora é usado em todas as grandes categorias.

Carter “seco” repare que ele é muito menor

O sistema de cárter seco, literalmente, mantém o cárter do motor seco e armazena o óleo em outro reservatório, o que permite que o motor seja menor, além do que citei acima, uma das vantagens disso é tornar o centro de gravidade do carro mais baixo, o que melhora muito a estabilidade.

Os filtros como o próprio nome já diz, são responsáveis por filtrar o óleo, o primeiro filtro do sistema é o pescador, que fica dentro do cárter e é o responsável por eliminar os resíduos sólidos do óleo.

Filtro Pescador

Existe também o filtro removível, que pode (e deve) ser substituído manualmente. O óleo entra pelo lado externo, atravessa o elemento filtrante, e sai pelo centro do recipiente, de onde flui para o motor. Se a pressão no interior do filtro aumentar muito uma válvula de derivação se abre para desviar o óleo e levá-lo de volta ao cárter.

Filtro de óleo

A bomba de óleo é o que faz o mesmo circular pelo sistema, geralmente os motores empregam dois tipos de bomba de óleo: a de engrenagens e a de rotor.

A bomba de engrenagens tem um par de engrenagens combinadas.  À medida que elas giram, normalmente acionadas pelo virabrequim, o óleo ocupa o espaço entre os dentes da peça. Quando os dentes passam de seu ponto de engrenamento o lubrificante é forçado a sair sob pressão. O que acontece na bomba a rotor é similar.

Bomba de óleo

O motor possui galerias por onde circula o óleo, eu particularmente, acho a maneira com que essas galerias são feitas muito interessante, o ferro ainda liquido e derramado em moldes de areia (isso mesmo! Areia!) o que torna possível modelar galerias por dentro do bloco para que o óleo possa circular

Esse sistema é responsável por lubrificar todas as partes móveis do motor, como eu disse a cima o virabrequim é uma delas.

O óleo também chega aos pistões para diminuir o atrito dos mesmos com a parede do cilindro, mas não chega a se misturar com o combustível, pois os pistões possuem anéis raspadores que fazem justamente o papel de raspar o óleo novamente para baixo impedindo assim que o carro “queime óleo”.

Resumindo, toda e qualquer parte móvel do motor, depende de um bom sistema de lubrificação, caso contrario, as peças vão apresentar um desgaste alto e em pouco tempo de uso, como abaixo:

Pistão destruido por falta de lubrificação

Bom pessoal, esse foi o post de hoje sobre sistemas de lubrificação, espero que tenham gostado.

Um abraço,

Rafael Basilio

Anúncios
  1. No trackbacks yet.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Anúncios
%d blogueiros gostam disto: